Saiba o que é portabilidade de crédito e como funciona

A portabilidade de crédito pode ser uma excelente opção para os consumidores que querem diminuir a parcela do seu financiamento; descubra

Se você tem um financiamento e está com alguma dificuldade de cumprir com o pagamento das parcelas ou simplesmente está insatisfeito com os serviços prestados pela instituição financeira responsável, precisa conhecer a possibilidade de fazer uma portabilidade no financiamento.

Também chamada de portabilidade de crédito, ela é uma opção que está disponível para todos os consumidores que têm interesse em realizar a troca da instituição responsável pela cobrança da dívida. 

O que é portabilidade de crédito?

Em linhas gerais, a portabilidade de crédito pode ser conceituada como uma operação em que se realiza a transferência de dívida de uma instituição financeira para outra. Ela costuma ser utilizada pelos consumidores quando eles encontram um banco que oferece taxas de juros e condições de pagamento mais atraentes do que as atuais. 

Na prática, o banco que vai fazer a portabilidade quita a dívida junto ao banco originário e fica com os direitos sobre a cobrança da mesma. Desta forma, o débito é transferido ao novo banco, que será o novo credor.

Quando a portabilidade de crédito é utilizada?

A portabilidade de crédito é utilizada quando o consumidor tem um contrato de crédito vigente e está procurando opções de taxa de juros mais baixas. No entanto, vale salientar que a taxa de juros não é a única razão pela qual um cliente pode procurar a portabilidade. Aspectos como qualidade do atendimento e suporte oferecido pelo banco também podem ser levados em consideração.

Assim, quando o cliente não está satisfeito com o atendimento, com os serviços e/ou com as taxas de juros, ele poderá tentar uma renegociação ou buscar a portabilidade de crédito. 

Como funciona a portabilidade de crédito?

Antes de fazer uma portabilidade de crédito, o consumidor deve ir ao banco no qual possui o contrato de crédito para verificar qual é o valor total da sua dívida, bem como qual seria a oferta de valor para quitação antecipada do financiamento.

Esse valor de quitação antecipada é um cálculo que não contempla os valores dos juros cobrados nos meses restantes; por isso, representa o valor real devido caso o financiado fosse quitar sua obrigação.

Com esse valor em mãos, ele deve entrar em contato com outras instituições financeiras, verificando qual delas propõe as melhores condições para uma portabilidade de financiamento. Confira algumas dicas que podem ajudar ao longo deste processo:

  • em um processo de portabilidade a instituição que vai assumir a cobrança não pode obrigar o consumidor a adquirir outros serviços. No mercado, isso é chamado de “venda casada” e é proibido pela legislação do consumidor. Caso ocorra alguma situação desse tipo, a orientação é denunciar os fatos para o Banco Central;
  • verifique cuidadosamente os valores das tarifas; durante a portabilidade de crédito imobiliário, por exemplo, é realizada uma nova avaliação do imóvel, o que é cobrado do consumidor;
  • após a entrega de toda a documentação, os dois bancos envolvidos na operação são responsáveis por realizar a operação. 

Quais são as vantagens e desvantagens de portabilidade?

A grande dúvida é: será que vale a pena fazer uma portabilidade? Existem muitas dúvidas acerca dos benefícios e da burocracia envolvendo este processo. Pensando nisso, elencamos os principais benefícios de se realizar uma portabilidade. Confira:

  • o consumidor pode buscar um atendimento melhor em outra instituição;
  • o devedor pode acessar taxas de juros mais baixas e economizar no valor total a ser pago pelo financiamento;
  • a portabilidade de crédito imobiliário pode ser realizada quantas vezes o consumidor quiser;
  • não há restrição ou limite de valor para realizar a portabilidade.

O que precisa ser levado em consideração antes de realizar o procedimento são os custos do novo contrato e a viabilidade de realizar a portabilidade: você precisa analisar se vale a pena, sob o ponto de vista financeiro e operacional.

Lembre-se de calcular eventuais taxas extras que serão cobradas. No caso do financiamento imobiliário, por exemplo, poderão ser cobradas taxas de avaliação do imóvel, de transferência da alienação e de confecção do novo contrato. Todos esses valores devem ser incluídos no orçamento a fim de identificar se a portabilidade é realmente a opção mais vantajosa para o consumidor. 

Relacionados